Passar para o conteúdo principal

O amoníaco (NH3) é um gás altamente reativo e solúvel. É originário de fontes naturais e antropogénicas, sendo a principal fonte a agricultura, por ex. degradação e volatilização da ureia, adubos, lamas, produção e aplicação de fertilizantes e queima de biomassa.

O amoníaco também é emitido por uma variedade de fontes não agrícolas, como conversores catalíticos em carros a gasolina, aterros sanitários, esgotos, compostagem de materiais orgânicos, combustão, indústria e mamíferos selvagens e aves.

O excesso de azoto pode causar eutrofização e acidificação nos ecossistemas, levando a alterações na composição de espécies e outros efeitos negativos.

Pode igualmente ser precursor da formação de partículas secundárias e por isso ter efeitos na saúde causados por PM10 e PM2,5.

Com o objetivo de reduzir as emissões deste poluente para o ar ambiente existem instrumentos como documentos de Referência sobre as Melhores Técnicas Disponíveis (ver Melhores técnicas disponíveis) que estabelecem as melhores práticas e valores de emissão associados para o controlo das emissões nas atividades onde estas são mais significativas.

Foi igualmente criado um quadro de referência para a redução de emissões de amoníaco proveniente dos setores agrícola e pecuário, sob a alçada da Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa (UNECE), denominado Código de Boas Práticas Agrícolas para a Redução do Amoníaco, que sistematiza as melhores práticas a implementar neste em cada tipo de explorações. Está prevista a sua adaptação para o contexto nacional.

Para saber mais

Logos dos Parceiros