Campanha Nacional de Monitorização do Gás Radão

Instrumentos > Proteção Radiológica e Segurança Nuclear > Proteção radiológica ambiental > Campanha Nacional de Monitorização do Gás Radão

Começou a segunda fase da Campanha Nacional de Monitorização do Gás Radão. Já estão a chegar ao Laboratório de Radioatividade Natural da Universidade de Coimbra os primeiros detetores para análise. Os voluntários que ainda têm o detetor colocado na sua habitação devem proceder de acordo com o indicado de seguida.

Verificar se desde a data de colocação do detetor já passaram 3 meses (aproximadamente 90 dias). Em caso afirmativo proceder do seguinte modo:

a) Escrever a data de fim no questionário e no invólucro metálico onde vai introduzir o detetor.

b) Colocar o detetor no invólucro metálico, selar com a fita metálica e utilizar o envelope pré-pago para devolver o detetor

    juntamente com o questionário e o destacável devidamente preenchidos.

c) Pode colocar o envelope no marco do correio mais próximo da sua habitação.

 

Nota: Em caso de dúvidas, pode rever o vídeo disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=HOAF5eMheiM&t=88s

 Caso contrário, esperar até completar os 3 meses e quando terminar o período de exposição e proceder como explicado no ponto anterior.

Durante o estado de emergência continuámos de forma empenhada a trabalhar na Campanha Nacional de Monitorização do Gás Radão.

 

         

(Atualizado em 13/06/2020)

 

Encontra-se terminada a primeira fase da Campanha de Monitorização Nacional do Gás Radão, realizada pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA). 

Esta fase consistiu na identificação de voluntários, proprietários de habitações, que pretendessem fazer gratuitamente uma análise ao radão nas suas habitações.

Durante os meses de janeiro e fevereiro, decorreram as ações de distribuição de detetores junto das populações, de norte a sul de Portugal, através da equipa da Universidade de Coimbra (UC), pretendendo-se garantir que fosse dada oportunidade de participação na campanha, às populações mais isoladas.

                                   

A maioria dos voluntários já tem os detetores instalados nas suas habitações. Durante o mês de maio, completam-se os três meses de amostragem e os voluntários procederão ao envio dos questionários e detetores, para a UC, via CTT, usando o envelope pré-pago fornecido.

A APA expressa sinceros agradecimentos a todas as entidades e pessoas em nome individual que prestaram a sua colaboração nesta campanha e que foram determinantes na angariação de voluntários e distribuição dos detetores.
 

         

(Atualizado em 06/03/2020)



A Campanha de Monitorização Nacional do Gás Radão é uma ação desenvolvida pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) em parceria com a Universidade de Coimbra (UC).

Com esta campanha pretende-se amostrar a concentração de radão no interior das habitações, em zonas previamente selecionadas, para a produção de um mapa de risco de exposição ao radão.

Selecionaram-se para esta campanha as zonas com formações geológicas sem ou com fraca caracterização ao nível da concentração de radão.

Numa primeira fase é necessário identificar os voluntários, proprietários das habitações, que pretendam fazer gratuitamente uma análise ao radão nas suas habitações. Numa segunda fase, procede-se à entrega e colocação dos detetores de radão e passado 3 meses, à sua recolha.

A Universidade de Coimbra (UC) está encarregue da produção dos detetores, da sua análise em laboratório, do tratamento dos resultados e na integração dos dados para a obtenção do mapa de risco da exposição ao radão.

A APA, além da gestão deste projeto, garante a produção de todo o material informativo necessário para a realização desta campanha e realiza sessões de esclarecimento para as populações sempre que pertinente.

O resultado final desta campanha é a produção do mapa de risco de exposição ao radão. Este mapa será publicado no sítio oficial da APA para livre consulta.

No mapa poderá visualizar se a habitação ou local de trabalho se situa numa zona de risco e assim tomar as medidas necessárias de acordo com a especificidade do local.

A elaboração do mapa de risco de exposição ao radão insere-se no âmbito do desenvolvimento do Plano Nacional para o Radão que é uma obrigação legal da APA prevista no Decreto-Lei n.º 108/2018, de 3 de dezembro. A elaboração do Plano deverá estar concluída em 2022.

Flyer da Campanha de Monitorização do Gás Radão

Cartaz da Campanha de Monitorização do Gás Radão