Skip to main content

O monóxido de carbono (CO) tem origem antropogénica na combustão incompleta de combustíveis fósseis ou de outras matérias orgânicas contendo carbono. Surge nas emissões da produção de eletricidade, da combustão industrial, comercial ou residencial e igualmente dos transportes com motores a combustão. Pode igualmente ter origens naturais nas erupções vulcânicas e nos fogos florestais.

Em zonas urbanas, os transportes rodoviários são a principal fonte de CO e como tal as concentrações deste poluente variam com as variações de tráfego. Acresce que este poluente é emitido em maiores quantidades quando os motores estão a alta rotação, isto é, nas situações de pára-arranca ou de baixa velocidade de circulação.

O CO pode causar dor de cabeça, vertigens e má disposição até mesmo náuseas e vómitos, pode ainda reduzir a capacidade de aprendizagem, de trabalho e a destreza manual. Os efeitos nefastos na saúde humana devem-se à sua capacidade de se combinar irreversivelmente com a hemoglobina do sangue que, ao invés de se ligar ao oxigénio nos pulmões para o transportar para os tecidos e ao dióxido de carbono para o transportar dos tecidos para os pulmões, fica com esta função comprometida pela ocupação da posição da hemoglobina pelo CO que cria com esta uma composição muito estável. Com tempos de exposição elevados pode mesmo causar a morte.

O efeito cumulativo da exposição a este e outros poluentes em indivíduos com outros problemas de saúde pode ser relevante.

O CO contribui para a formação do ozono troposférico e a sua oxidação pelo oxigénio do ar contribui para o efeito de estufa.

Em Portugal, dando cumprimento à legislação comunitária, a concentração de monóxido de carbono no ar ambiente é objeto de regulamentação e controlo através do Decreto-Lei n.º 102/2010, de 23 de setembro (ver Qualidade do ar).

Com o objetivo de reduzir as concentrações destes poluentes no ar ambiente existem instrumentos legais de controlo das emissões nas fontes mais significativas que incluem valores limite de emissão nas fontes (ver Controlo de emissões).

Para saber mais