Passar para o conteúdo principal

APA participa em exercício onde é simulada emergência nuclear internacional

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) juntamente com 80 Estados-Membros e 12 organizações internacionais, concluíram a 27 de outubro de 2021, um exercício de emergência internacional que se realizou durante 2 dias e que testou a resposta a um acidente simulado numa central nuclear. O exercício foi organizado pelos Emirados Árabes Unidos.

O cenário do acidente simulou uma libertação significativa de material radioativo para a atmosfera. As consequências da libertação simulada exigiram que os estados e organizações internacionais participantes no exercício implementassem os seus procedimentos de troca imediata de informações, avaliação da situação, tomada de decisões sobre medidas de proteção e outras ações de resposta, incluindo uma possível resposta médica, preparação da informação a dar ao público e avaliação dos impactos da situação na importação/exportação de mercadorias e deslocações transfronteiriças. Este exercício envolveu ainda uma missão de assistência internacional composta por especialistas de vários Estados-Membros.

O exercício ConvEx-3, o mais complexo dos exercícios internacionais organizados pela AIEA, foi concebido para avaliar a consistência das ações de preparação e resposta a emergências realizadas por estados e organizações internacionais para identificar tanto as boas práticas como aquelas que necessitam ser reforçadas. Este exercício de larga-escala realiza-se com periodicidade de três a cinco anos, para testar os procedimentos implementados na resposta à emergência para dar cumprimento às obrigações da Convenção de Notificação Rápida de Acidentes Nucleares e da Convenção de Assistência em caso de Acidente Nuclear ou Emergência Radiológica.

Ao nível nacional, decorreu também um exercício de apoio à decisão no âmbito da atividade da Comissão Nacional de Emergências Radiológicas (CNER), tendo por base o cenário internacional e simulando a contaminação de navios em trânsito para o território nacional pelo material radioativo libertado durante o acidente. Deste exercício resultará um incremento da capacidade nacional de planeamento e resposta a este tipo de emergências.