Skip to main content

Proteção dos recursos hídricos pós-incêndios

Na sequência dos incêndios de 2017, foi necessário definir medidas para garantir a proteção dos recursos hídricos nos concelhos afetados.

Foram definidas medidas para garantir o escoamento nas linhas de água, minimizar a erosão e o arrastamento dos solos, minimizar o efeito de cheias e inundações e assegurar o uso balnear. Estas medidas são complementadas pelas ações do sector florestal relativas à limpeza e correção torrencial de linhas de água de cabeceira e à proteção dos taludes das encostas percorridas pelo fogo.

Para tal foram realizadas reuniões com os municípios afetados e foi estabelecida uma metodologia para identificar as áreas de intervenção prioritária.

Nos incêndios ocorridos de 17 a 24 de junho de 2017, os municípios das áreas afetadas foram: Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pêra, Góis, Pampilhosa da Serra, Penela e Sertã.

Nos incêndios ocorridos de agosto a outubro de 2017, os municípios das áreas afetadas foram: Abrantes, Alcobaça, Castelo Branco, Covilhã, Ferreira do Zêzere, Fundão, Gavião, Guarda, Mação, Nisa, Oleiros, Ourém, Pampilhosa da Serra, Proença-a-Nova, Sardoal, Sertã, Vila de Rei e Vila Velha de Ródão.